sábado, 29 de setembro de 2012

DIA MUNDIAL DA POESIA


A escolha de …  Carolina Vicente  (11º B)

 

O MEU AMOR TERÁ, QUAL TENHO AGORA

 
O meu amor terá, qual tenho agora,
pela mão vil do tempo gastas cãs,
o sangue pobre, a fronte a cada hora
com mais linhas e rugas, e as manhãs.

Jovens indo à noite íngreme da idade,
e todas as belezas de que é rei
a esvanecer ou já sem validade,
roubado à primavera o ouro de lei.

Contra esse tempo busco a fortaleza
e contra a cruel lâmina que agrida
no meu amor memória da beleza,

embora ao meu amante leve a vida.
sua beleza nestas linhas cresce
ehão-de viver e nelas reverdece.

 

William Shakespeare, in, 365 Poemas que Falam de Amor

 

Sem comentários:

Publicar um comentário