quarta-feira, 20 de outubro de 2010

CASA DE AFECTOS


Leio (com gosto) os últimos textos aqui chegados, penso como provam vivamente que os livros e as suas casas são laços. Não gaiolas onde eremitas macambúzios se encerram, mas formas, espaços, de abrir as mentes e os corações aos outros, ao Outro.

Vem isto a propósito de uma sessão muito especial que na semana passada aconteceu. Como aconteceu?

Começou pela discussão, numa aula de Formação Cívica, sobre o drama vivido pelos mineiros chilenos, as diferentes emoções que experimentariam ao longo de tantas semanas de enclausuramento, a forma inteligente e solidária como souberam lutar pela sobrevivência, como cada um reagiria se se encontrasse numa situação mesmo que muito remotamente semelhante.

Depois, mas ainda antes de se conhecer o feliz desfecho desta história, o encontro teve lugar na Biblioteca, onde, partindo da leitura de um artigo de jornal, procurámos entender mais completamente as implicações emocionais e físicas de uma tão longa permanência no interior da terra.

Alguns factos tornaram-se-nos muito evidentes: a permanente ligação ao exterior, a presença esperançosa, perseverante, das famílias, mas também os olhos do mundo postos na mina de San Jose desempenharam um papel determinante na forma como tudo aconteceu. Por outro lado, percebemos que os próximos tempos vão ser ainda de duro combate por parte dos 33 mineiros, não irá ser sem sobressaltos a readaptação à vida "normal".

Tudo isto, e ainda mais a urgência de fazer alguma coisa, alguma coisa que tornasse material a nossa solidariedade, levou à escrita das cartas para o Chile, repletas de admiração e abraços, dos alunos do 8ºE.

Sem comentários:

Publicar um comentário